Bom dia ! Hoje é Sexta Feira, 24 de Março de 2017.
 
Fique por dentro de nosso conteúdo em sua caixa de e-mail:
 




 
EUA e Geopolítica
19/11/2009
Narciso-em-Chefe
Enquanto o nosso Narciso-em-Chefe permanece estático contemplando a sua imagem perfeita transmitida por sua rede particular [1], há escolhas que precisam ser feitas quanto ao Afeganistão.
 
17/11/2009
Síndrome da Negação da Jihad atinge proporções epidêmicas
Depois que os ataques terroristas ao sistema de transporte de Londres [07/07/2005] acordaram algumas pessoas para o fenômeno do terrorismo islâmico infiltrado entre os súditos britânicos — e igualmente importante, para o modo pelo qual isso continuava a ser ignorado pelo establishment britânico – a reação do outro lado do Atlântico foi, para dizer o mínimo, complacente.
 
12/11/2009
Agora sabemos por que Obama adiou o encontro com o Dalai Lama
Eu mesmo não sou um grande fã do hábito de sair dizendo que altos funcionários do governo deveriam renunciar em função de declarações estúpidas. Mas o elogio a Mao feito pela diretora-interina de comunicações da Casa Branca, Anita Dunn, classificando-o de “filósofo político” é tão esdrúxulo e moralmente repugnante que ela deveria pedir as contas, e rápido. 
 
06/11/2009
O irmão de Karzai e os políticos mantidos por Washington
Ahmed Wali Karzai, irmão do presidente afegão, “um elo entre os americanos e o Taleban” e “um suspeito de agir no crescente comércio ilegal de ópio no país”, de acordo com o New York Times, “recebe pagamentos regulares da CIA há já quase oito anos”. Esta notícia desagradável tem muitas implicações negativas para a presidência de Hamid Karzai; a que mais me interessa agora é como ela confirma seu status de político sustentado, um líder que desfruta de sua atual posição devido ao suporte estrangeiro.
 
23/10/2009
“Um viva” para a política externa de Obama
A administração Obama tem tido um posicionamento alarmantemente ingênuo e perigoso em relação a questões árabe-israelenses, levando-me a me preocupar quanto a fracassos políticos espetaculares no futuro. Todavia, uma iniciativa política, inovadora e positiva, merece muitos elogios.
 
09/10/2009
Barack Obama ganha o Prêmio Yasser Arafat
Excelente notícia a de que Obama ganhou o Prêmio Nobel da Paz. Veja comentários aqui, aqui, aqui, aqui e aqui (em inglês). Até mesmo os partidários de Obama estão desesperadamente embaraçados – não admira, uma vez que o prêmio joga luz demais sobre as – bem, digamos – verdadeiras conquistas pela paz do “modesto” premiado.
 
07/10/2009
Castro agradece à família Kennedy enquanto ataca Nixon e Bush
Os Kennedy, em particular o presidente assassinado, John. F. Kennedy, foram representativos de uma nova geração de americanos que confrontaram a velha e suja política de homens nos moldes de Nixon... O papel da família Kennedy na vitória eleitoral de Barack Obama não deve ser menosprezado. Sem esse apoio moral, político e financeiro, a saga suja dos clãs Bush e Nixon teria continuado”.
 
01/10/2009
Governo Obama: A pior política externa da história americana
Para aqueles que se fartaram de rir  dos tropeços de Gerald Ford,  dos lapsos verbais de Ronald Reagan e principalmente dos erros (reais ou imaginários) de George W. Bush, está na hora de exercitar o humor em outro alvo: o queridinho da grande mídia brasileira, o bem falante e “histórico” Barack Hussein Obama, admirado até quando mata mosca.  E quando ele come mosca e tropeça em toda a cena mundial?  O quê? Não podemos rir de Obama? YES, WE CAN!
 
20/09/2009
Porrete para Honduras, sorrisos para Cuba
Em 3 setembro, o Departamento de Estado norte-americano divulgou um comunicado com o objetivo de golpear o governo provisório de Honduras mas que, no fundo, pretende quebrar a resistência do povo hondurenho em sua luta pela liberdade. O comunicado  reflete um intervencionismo pró-chavista nos assuntos internos do país.
 
22/07/2009
A marcha suicida liberal
Foi interessante ver o Partido Republicano perder o contato com  os Estados Unidos. Havia um partido liderado por sulistas conservadores que nem entendiam nem simpatizavam com os moderados ou os representantes dos distritos onde os eleitores nem sempre votam no mesmo partido. Eles levavam especialistas em pesquisas de opinião para as reuniões do partido para convencer seus membros de que o país estava fervorosamente do lado deles. Eram apoiados por seus grupos de interesse e aplaudidos por seus ativistas e pela imprensa militante. Gastaram dinheiro federal num esforço para comprar apoio, mas em vez disso terminaram enojando o país.   Não é tão interessante assim ver os democratas perderem o contato com os EUA. Isso porque o roteiro é exatamente o mesmo. O partido é liderado por liberais paroquiais das grandes cidades e das duas costas, que não entendem nem simpatizam com os moderados. Eles têm seus próprios especialistas em pesquisa, proteção da mídia e dos militantes e planos para gastar fartamente dinheiro emprestado para comprar votos.
 
09/07/2009
A complicada herança de McNamara
Eu cresci, quase literalmente, sob a sombra de Robert McNamara. Meu pai, Paul Ignatius, ingressou em sua equipe, no Pentágono, em 1961 e com ele permaneceu durante os anos da Guerra do Vietnã, primeiro como assessor próximo e, depois, como amigo. Então, para mim, a morte de Robert McNamara evoca um mundo inteiro de relações, sonhos e reviravoltas que caracterizavam a Washington nos anos 60.
 
06/07/2009
O Conselho Nacional dos Judeus Democratas e eu
Em fevereiro de 2008, em meio à grande agitação das eleições primárias americanas, Ira N. Forman, diretor executivo do Conselho Nacional dos Judeus Democratas [NJDC, na sigla em inglês] – o braço do Partido Democrata dedicado às relações com a comunidade judaica americana [*] criticou-me severamente no Philadelphia Jewish Voice , caracterizando-me como um “ propagandista conservador ”, chamando de “ ridículos e ofensivos ” os meus textos sobre Barack Obama ter sido criado como muçulmano e classificando o meu trabalho como “ traiçoeiro assalto político ”.
 
24/06/2009
Onde mais podem estar os espiões de Castro?
Na semana passada, o FBI capturou um bem-nascido analista de inteligência do Departamento de Estado, e também a sua mulher, sob a acusação de conspiração para cometer espionagem em favor do regime de Castro. David Kris, promotor assistente do Departamento de Justiça para assuntos de segurança nacional, descreveu o caso contra Walter Kendall Myers e sua mulher, Gwendolyn, como “incrivelmente sério” e a Secretária de Estado, Hillary Clinton, chamou-o de “uma violação ultrajante”, enquanto ordenava uma revisão de cima a baixo dos procedimentos de segurança do Departamento de Estado.
 
17/06/2009
Uma rápida e rude virada contra Israel
A muito esperada reunião entre Barack Obama e Benjamin Netanyahu em 18 de maio transcorreu suavemente, a despeito de um pouco de tensão, tal como previsto. Todos se comportaram impecavelmente e o evento despertou tão pouca atenção que o New York Times o noticiou na página 12.
 
08/06/2009
Uma declaração ou a expressão de um desejo?
Tendo declarado anteriormente que os Estados Unidos “não são mais uma nação cristã” –  ou mais precisamente:  “[...] Ao menos não apenas cristã. Somos também uma nação judaica, uma nação muçulmana, uma nação budista, uma nação hinduísta e uma nação de não-crentes...”, o presidente Obama anunciou, na véspera de sua peregrinação de deferência a todo o mundo islâmico, que os Estados Unidos podem ser vistos como um país muçulmano.
 
01/05/2009
O embargo deve acabar?
A maioria dos norte-americanos parece rejeitar o embargo comercial dos EUA contra Cuba. Segundo uma pesquisa do Washington Post/ABC, 57% dos norte-americanos, atualmente, se opõem à política. E uma sondagem do Bendixen & Associates mostra que apenas 42% dos cubanos-americanos continuam a apoiá-la.   Tenho me debatido em relação a essa questão durante anos. Até não muito tempo atrás, eu era a favor do embargo. Como um defensor do livre comércio, normalmente qualificaria tal medida como uma restrição inaceitável da liberdade das pessoas em fazer comércio com quem quiser. Mas eu pensava que negociar com um regime que matou, prendeu, exilou ou amordaçou inúmeros de seus cidadãos durante décadas não era um objetivo digno. Qualquer negociação com Cuba também favoreceria o regime. Afinal, as autoridades já estavam ficando com 20% das remessas dos cubanos-americanos e com 90% dos salários pagos aos cubanos pelos investidores estrangeiros não-norte-americanos.
 
28/04/2009
O resgate financeiro de Cuba
No dia 13 de abril, o Presidente Obama retirou todas as restrições a viagens e remessas de dinheiro feitas por cubanos nos Estados Unidos a seus parentes em Cuba. A maioria dos observadores de Cuba vê isto como um rápido desmantelamento do pouco que restou do chamado “embargo a Cuba”.
 
1 2 3 4 5



Redação: Paulo Zamboni
AmbientalismoAmérica LatinaBrasilCulturaEconomiaEntrevistasEUA e GeopolíticaEuropaMídia em FocoOriente MédioPolíticaSegurança Pública
Artigos IndicadosCLIPPING@MAISEspecialLiteraturaResenhas
Home Editorial Faq Fale Conosco


Canais:
 
MÍDIA A MAIS © COPYRIGHT 2013, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS