Boa Noite ! Hoje é Segunda Feira, 21 de Agosto de 2017.
 
Fique por dentro de nosso conteúdo em sua caixa de e-mail:
 




 
> Entrevistas
Compartilhar
"Para que Dilma se convertesse, ela teria que desfiliar-se do PT", afirma Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz, em entrevista ao M@M
- Redacao Midia@Mais
É em um momento decisivo ao futuro da nação que o M@M traz, com exclusividade, uma esclarecedora entrevista com um dos maiores combatentes na luta contra a liberação do aborto pelo Estado brasileiro, Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz. Para quem não se lembra, Pe. Lodi foi o padre processado pelo PT pela afirmação de que quem defende a liberação do aborto é abortista. Mas afinal, Dilma se comprometeu ou não contra a liberação do aborto, após breve ensaio de carola? Para ele, diga o que disser a candidata, Dilma Rousseff é oficialmente comprometida com o aborto, pelo simples fato de pertencer aos quadros do partido.

É em um momento decisivo ao futuro da nação que o M@M traz, com exclusividade, uma esclarecedora entrevista com um dos maiores combatentes na luta contra a liberação do aborto pelo Estado brasileiro, Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz. Para quem não se lembra, Pe. Lodi foi o padre processado pelo PT pela afirmação de que quem defende a liberação do aborto é abortista. Mas afinal, Dilma se comprometeu ou não contra a liberação do aborto, após breve ensaio de carola? Para ele, diga o que disser a candidata, Dilma Rousseff é oficialmente comprometida com o aborto, pelo simples fato de pertencer aos quadros do partido.

M@M: A defesa do direito ao aborto em qualquer fase da gestação é um tema que faz parte da história do PT, desde muito antes das eleições correntes, tendo-se oficializado no PNDH-3. Há vários vídeos na internet em que a candidata do partido governista afirma sua posição com respeito a esse tema de forma absolutamente coerente com o trajeto do partido. Já após as eleições no 1o turno, a candidata quis apresentar-se como devota defensora da vida, imitando não sem constrangimentos, uma postura que em nada relembra sua biografia, cuja boa parte permanece sob sigilo. É possível crer na conversão de Dilma Rousseff?

Pe. Lodi: Para que Dilma Rousseff se convertesse, ela teria que desfiliar-se do PT. Explico-me. Todo candidato petista tem um compromisso formal, assinado por escrito, com a causa abortista. Isso se demonstra com os seguintes fatos:

a) Todo candidato do PT é obrigado a assinar o Compromisso do Candidato Petista, que “indicará que o candidato está previamente de acordo com as normas e resoluções do Partido, em relação tanto à campanha como ao exercício do mandato” (Estatuto do PT, art. 128, §1º).

b) Entre as resoluções que todo candidato se compromete a acatar está uma denominada “Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais” aprovada no 3º Congresso do PT (agosto/setembro 2007), que inclui a “defesa da autodeterminação das mulheres, da descriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público”.

Não adianta que agora, no apagar das luzes, Dilma venha a se posicionar “em favor da vida” ou “pessoalmente contra o aborto”. O compromisso dela com seu partido continua de pé. E continuará de pé enquanto ela for petista.
Como todo candidato petista, Dilma é oficialmente comprometida com o aborto.

Se não bastassem as suas abundantes declarações públicas em favor do aborto, seria suficiente o seu compromisso partidário. O PT é um partido que cobra coerência de seus afiliados. Por ser um partido abortista, ele não admite que seus membros atrapalhem a promoção do aborto. O PT agiu com coerência ao suspender os direitos partidários de Luiz Bassuma e Henrique Afonso por “militarem’ contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT a respeito da descriminalização do aborto”. Nós, cristãos, temos que ter mostrar a mesma coerência negando nosso voto ao PT.

M@M: Após crítica oficial, ferrenha e legalmente insustentável, levada a cabo pela campanha do partido governista, tendo o mesmo tentado alterar a tática de combate à Igreja para uma posição mais de conciliação, os movimentos apoiadores do PT nos temas como aborto e mordaça gay, reconhecidamente ativos anticlericais, mantiveram o silêncio. Podemos inferir daí um acordo político de bastidores do PT com tais movimentos, voltando os temas à carga na promessa de vitória do partido governista?

Pe. Lodi: O momento atual é carnavalesco. Dilma está mascarada de católica, cristã, devota de Nossa Senhora Aparecida (embora não saiba fazer o sinal da cruz), defensora da vida e da família. Tudo está montado para enganar os que querem ser enganados. Terminado o prazo para a encenação em 31 de outubro, Dilma se sentirá mais à vontade para parecer aquilo que sempre foi e para falar aquilo que sempre falou.

A promoção do aborto e do homossexualismo sempre foram dois temas obsessivos durante os dois governos petistas que tivemos. A situação tende a piorar - e muito - no caso de uma eventual vitória de Dilma.

M@M: É sabido que o PT atua oficialmente e ilegalmente, amparando-se em movimentos oficiosos e ONGs que não aceitam ser criminalizados, mas tendo apoio e financiamento oficiais. Quando as ações desses movimentos aparecem publicamente, o partido se esquiva afirmando independência. Dessa forma, o partido bem pode fazer todos os acordos e conciliações possíveis e deixar a cargo de suas milícias o trabalho de combate. Num governo do PT pautado por essa multiplicidade de posturas, o que esperar da liberdade religiosa verdadeira no Brasil caso o partido vença em 31 de outubro? Estaria ela ameaçada? Esse recente episódio de apreensão de material legal da Igreja é exemplar do que pode advir em caso de vitória do partido governista?

Pe. Lodi: Liberdade e PT são dois termos que não se conciliam. A índole totalitária do PT se demonstra seja pela estrela vermelha que ele ostenta (a mesma da bandeira de Cuba, da China e da antiga União Soviética, com seus regimes totalitários); seja pela sua iniciativa de fundar em 1990 o Foro de São Paulo para fortalecer a ditadura cubana após a falência do regime soviético; seja pelo contínuo cerceamento aos meios de comunicação social quando emitem opiniões desfavoráveis à sua ideologia; seja pelo seu apoio a projetos totalitários como o PLC 122/2006 (que pretende glorificar o homossexualismo e instaurar a perseguição religiosa no país); seja pela sua perseguição a Bispos que têm a coragem de denunciar o compromisso do Partido com o aborto (veja-se o lamentável episódio da apreensão do “Apelo a todos os brasileiros e brasileiras”, que os Bispos do Regional Sul 1 haviam aprovado e mandado divulgar). Como você bem destacou, o que já estamos presenciando é uma pequena amostra do que espera a Igreja e o Brasil caso - Deus não o permita! - haja um terceiro governo petista.

M@M: Em declaração do Pe. Paulo Ricardo, um convênio firmado com um "grupo de estudos" da legalização do aborto e o Ministério da Saúde foi renovado oficialmente pelo atual governo, um dia após o primeiro turno das eleições deste ano. Isso seria mais uma indicação de que a nova postura do PT é diversionista, tentando agradar os eleitores na base da ocultação de seus reais propósitos?

Pe. Lodi: Sem dúvida. O PT não tem compromisso com a verdade. O demônio, “homicida desde o princípio”, é também o “pai da mentira” (Jo 8,44). No seu intuito de matar, ele mente. Assim faz o PT: para obter o aborto, vale tudo, inclusive a mentira.

M@M: Após certo ocaso da Igreja Católica no Brasil no tocante aos rumos políticos da nação, em parte satelitizada pela própria esquerda, percebe-se uma clareza de posição bastante distinta nessas eleições de 2010, com declarações públicas e frontais de inúmeros padres e bispos contra as posições políticas do PT, o que é novidade. A que se deve esse novo despertar, em boa hora, que vai felizmente ao encontro dos anseios de seu povo? Podemos acreditar que ela permanecerá vigilante, com sua capacidade de discernimento e ação pública?

Pe. Lodi: Creio que o despertar de nossos pastores - que pareciam estar adormecidos - deve-se à oração e ação de pequenos heróis anônimos, que estão alcançando para nós a misericórdia de Deus. Creio que a vigilância de nossos pastores dependerá de nossa perseverança na oração por eles e pela pátria. Repito aqui o refrão de Dom Manoel Pestana Filho, meu Bispo Emérito, já octogenário: “Coração Imaculado de Maria, livrai-nos da maldição do aborto".

 



 
Compartilhar

COMENTÁRIOS
28/10/2010
(Mauricio Mendes Correa)

Para o esquerdista o que menos importa é a verdade...a lógica !!!!!! Eles veneram a mentira !!!!!!
 
27/10/2010
(Marina)

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Que piada! Normalmente, alguém tenta fazer piada com assunto sério - do ponto de vista da Igreja, a afirmação do padre Lodi está corretíssima - ou porque é um ignorante que não entende do assunto, mas JURA que entende, ou porque é um idiota que não têm argumentos e quer dar uma de "esperto", mas só consegue mesmo bancar o tolo patético. Escolha a descrição na qual se encaixa melhor, minha filha.
 
INSERIR COMENTÁRIO
Nome / Apelido
E-mail (opcional)
Comentário



Redação: Paulo Zamboni
AmbientalismoAmérica LatinaBrasilCulturaEconomiaEntrevistasEUA e GeopolíticaEuropaMídia em FocoOriente MédioPolíticaSegurança Pública
Artigos IndicadosCLIPPING@MAISEspecialLiteraturaResenhas
Home Editorial Faq Fale Conosco


Canais:
 
MÍDIA A MAIS © COPYRIGHT 2013, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS