Bom dia ! Hoje é Terça Feira, 30 de Maio de 2017.
 
Fique por dentro de nosso conteúdo em sua caixa de e-mail:
 




 
> Cultura
Compartilhar
Luiz Carlos Prestes - a incorrigível história de um memorial. E fascista é a mãe!
15/11/2014 - Percival Puggina
Graças a mais uma negociata com dinheiro público, Porto Alegre irá homenagear um mau brasileiro, traidor de sua pátria, agente soviético no Brasil e responsável direto e indireto pela morte de muitos brasileiros.
(Prestes. Homenagem ao traidor comunista feita com dinheiro público, para variar...)
 
Na véspera do dia em que se celebravam os 25 anos da queda do Muro de Berlim, um grupo de cidadãos marchou pela Avenida Borges de Medeiros, em Porto Alegre, rumo às obras do Memorial Luiz Carlos Prestes onde realizaram breve protesto. Denunciavam um paradoxo. E bota paradoxo nisso! Enquanto o mundo livre e civilizado rememora o fim do Muro, maior evidência do fracasso do comunismo, em Porto Alegre ultimam-se as obras de um Memorial que permanentemente exaltará tal regime através do personagem que, com maior ênfase, simboliza a luta suja por sua implantação no Brasil.
 
O Memorial é um projeto do arquiteto Oscar Niemayer, o milionário mais festejado pelos marxistas-leninistas. Sua construção e instalação foi proposta à cidade de Porto Alegre em 1998 pelo petista Raul Pont, então prefeito da Capital, em projeto que enviou ao legislativo municipal, obtendo inimaginável aprovação pelo voto majoritário dos edis.
 
As coisas teriam terminado por aí. O prefeito teria atendido seus amigos da foice e do martelo e destinado o terreno para o projeto. A Câmara teria feito mais uma de suas tradicionais trapalhadas. O terreno viraria estacionamento ou depósito de lixo. E assim foi, de fato, por muito tempo. Até quê? Até que a Federação Gaúcha de Futebol, interessada em construir seu edifício-sede, estendeu olhar cobiçoso para aquele privilegiadíssimo local.
 
Pintou negócio. De onde menos se poderia imaginar, apareceu dinheiro para que se completasse a ofensa ao caráter democrático do povo de Porto Alegre. Assim: a) o terreno seria dividido ao meio; b) a Federação ficaria com uma das metades do que não lhe pertencia; e c) em retribuição, entregaria à cidade, pronta e acabada, a fatídica obra. "Não, muito obrigado!", diríamos, por certo, eu e o leitor destas linhas. Afinal, não faltam obras mais urgentes e necessárias à nossa população. Mas nossa Câmara, liderada pelo empenho dos vereadores da bancada do futebol disse o contrário. E nos brindou com essa histórica ridicularia.
 
Nem virando a cidade pelo avesso se congregariam em Porto Alegre, felizmente, adeptos do comunismo em número suficiente para reunir os meios necessários à construção do Memorial. No balcão das negociações da FGF com a bancada do futebol, ele saiu de graça. Bem como costumam ser as coisas comunistas - tudo, sempre, com o dinheiro dos outros. Então, sob o egrégio patrocínio dos pagantes de ingresso para jogos de futebol e dos cidadãos de Porto Alegre, o comunismo, varrido a grito do Leste Europeu, ganhará um vexatório memorial em Porto Alegre. Será nossa homenagem a um mau brasileiro, traidor de sua pátria, agente soviético no Brasil, responsável direto e indireto pela morte de muitos brasileiros.
 
Tais mortes deveriam estar elencadas no prontuário de Prestes! Sua Coluna, tão famosa quanto inútil, foi um delírio do líder que lhe deu o nome. Arregimentados morriam de doenças e de fraqueza. Enquanto se deslocou pelos famosos 25 mil km, fugindo dos combates contra as forças oficiais, deixou um rastro de torpezas e destruição (1). Após sua conversão à foice e ao martelo, aliou-se ao profissionalismo assassino do Partido Comunista da URSS e, nessa condição associou-se aos autores de repetidos genocídios. Também caem na sua conta os mortos da Intentona Comunista de 1935.
 
Lamentável, também, foi o tom das matérias que divulgaram o gesto democrático, cívico e ordeiro da pequena marcha pela avenida Borges de Medeiros até as obras do Memorial no dia 8. Habitualmente, o esquerdismo descerebrado que se alojou nas redações de certos veículos procura desqualificar como fascista todo e qualquer repúdio ao comunismo. Foi o que, ora explícita, ora veladamente, fizeram neste caso. Tais notas são redigidas como se ser anticomunista fosse fascismo e não fosse uma imposição moral incidente sobre todo cidadão que conheça História! Aliás, essa mesma História ensina que, ao longo do século passado, os comunistas, sem qualquer constrangimento, eliminaram dezenas de milhões de seus próprios conterrâneos civis, sob idêntica alegação! Eram ditos fascistas e destinados às fossas coletivas todos que se opunham à malignidade do totalitarismo vermelho, que se auto condenou com o famigerado Muro, cujo fim foi celebrado, no domingo passado, para irritação de certos redatores.
 
(1) NARLOCH, Leandro. Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil . Editora Leya, 2009.
 



 
Compartilhar

COMENTÁRIOS
18/11/2014
(Agapito Costa )

Realmente é muito difícil, entender o que se passa na cabeça de um socialista. Vejamos: Em 21 de agosto de 2011, participei juntamente com as demais autoridades civis e militares, da cidade de Rio Grande, do lançamento da pedra fundamental, onde seria erguido o busto do general Golbery do Couto e Silva, ilustre riograndino. No mesmo dia tão logo anoiteceu foi tudo destruído, por pessoas de opinião opostas. Tudo o que se ouviu foram criticas por enaltecer um general da ditadura. No dia 10 de novembro do corrente ano, lendo o jornal Zero Hora, página n°19 dizia o seguinte: Protesto Contra O Memorial A Prestes. Conforme consta foi um projeto do arquiteto de Oscar Niemeyer construído em Porto Alegre. Mas o que me chamou atenção foi o posicionamento do senhor Edson Santos, presidente do Instituto Olga Bernário Prestes, disse: que serão estudadas providências jurídicas para o que ele chamou de “ato fascista”. Então eu pergunto: como devemos classificar o que ocorreu na solenidade ao general Golbery? Outra pergunta: Luiz Carlos Prestes, e Golbery do Couto e Silva, ambos são gaúchos, por acaso não seria sensato que o senhor Edson Santos mandasse colocar nos referidos memoriais as contribuições deixadas para seu Estado e suas cidades natais? O memorial ao Golbery foi transferido para a Praça Marques do Herval enfrente a uma unidade militar da cidade. Afinal a verdade é filha do tempo, não da autoridade.

 
17/11/2014
(MARAT)

Salve Puggina: Estavamos bem na foto no último sábado. Proponho que, ao retirarmos da PMPA o governo populista que a detém, encaminhemos a Câmara Municipal projeto, que vise restaurar a HISTÓRIA VERDADEIRA, desfazendo as renomeações de logradouros públicos realizadas pelos comunistas. Bem com, outro projeto, que transforme esse memorial ao coitado do Prestes, em um Memorial ao Holocausto Socialista/Comunista da humanidade. Material para a composição do mesmo não falta, são milhões de corpos esparramados aos quatro ventos, que os comunistas usaram como "tapete."
 
INSERIR COMENTÁRIO
Nome / Apelido
E-mail (opcional)
Comentário



Redação: Paulo Zamboni
AmbientalismoAmérica LatinaBrasilCulturaEconomiaEntrevistasEUA e GeopolíticaEuropaMídia em FocoOriente MédioPolíticaSegurança Pública
Artigos IndicadosCLIPPING@MAISEspecialLiteraturaResenhas
Home Editorial Faq Fale Conosco


Canais:
 
MÍDIA A MAIS © COPYRIGHT 2013, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS