Boa Noite ! Hoje é Quarta feira, 20 de Setembro de 2017.
 
Fique por dentro de nosso conteúdo em sua caixa de e-mail:
 




 
> Cultura
Compartilhar
O que há por trás da criação do Parque Minhocão?
12/10/2014 - Redacao Midia@Mais
A capital paulista vive um verdadeiro inferno graças ao prefeito do PT e seus aliados de ONGs esquerdistas, e a imprensa só fala em converter o Minhocão em um novo parque.
...E de outros parques em uma grande cidade como São Paulo (mas nem só nela)? Por que tantos políticos de esquerda, apoiados por ONGs, coletivos, associações (todas de esquerda) promovem tamanha mobilização para a criação de novos parques?
 
A capital paulista tem mais de 60 parques. Muitos deles estão tomados por sujeira, degradação, tráfico de drogas e prostituição. Nas ruas, o lixo se acumula. Invasões de propriedade pública e privada transformam o centro de São Paulo numa paisagem caótica, como uma cidade em zona de guerra. E a imprensa só fala em converter o Minhocão num novo parque gigantesco.
 
Curiosamente, os moradores da região repudiam o projeto do Parque Minhocão. Vejamos o que relata uma habitante do centro a respeito do uso atual do elevado para a realização de "eventos culturais":
 
"As pessoas preferem o ruído dos carros, que geram 108 decibéis, o barulho de uma turbina de avião, ao ruído das festas que fazem no elevado, que superam esse nível de ruído. Chega-se ao absurdo de se preferir o ruído dos carros aos das festas", ilustrou. Ela lembrou ainda que o elevado é muito utilizado para o consumo de drogas e até "sexo ao vivo". (http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/09/criacao-de-parque-gera-racha-em-audiencia-publica-sobre-o-minhocao.html)
 
Quem mais se anima com a ideia de converter o Minhocão em um espaço permanente de "cultura e lazer" são os militantes ligados a ONGs de esquerda. Seu objetivo mais óbvio é contar com um espaço permanente de mobilização e proselitismo disfarçados de "atividades culturais": e lá vamos nós com intervenções e apresentações de teatro e música engajado de confrontação à classe média (que acaba pagando a conta, como sempre).
 
Mas nem só por isso: vejam o que diz o projeto de lei que transforma o elevado em parque.
 
Artigo 3° - O Poder Público Municipal, na forma da legislação vigente, incentivará atividades culturais, esportivas e de lazer no Elevado Costa e Silva, por parte da comunidade e de entidades da sociedade civil, assim como garantir as adequadas condições de segurança no local durante os horários de fechamento ao tráfego durante os períodos nos quais o mesmo se encontre fechado para trânsito de veículos.
 
Artigo 4° - 0 Parque Minhocão terá gestão democrática e participativo mediante conselho gestor horizontal, bem como controle social popular.
 
Artigo 6º - As despesas decorrentes da execução da presente lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.
 
Para quem ainda não entendeu: a Prefeitura cria o parque e paga ONGs e coletivos para realizar atividades culturais, esportivas e de lazer no local. O controle disso fica na mão das próprias ONGs e coletivos, que no fim das contas são os únicos integrantes dos "conselhos gestores populares".
 
Alguém ainda tem dúvida por que os moradores do centro preferem os carros e a poluição do que socialistas fazendo barulho com o dinheiro dos contribuintes debaixo das janelas da região?
 



 
Compartilhar

COMENTÁRIOS
INSERIR COMENTÁRIO
Nome / Apelido
E-mail (opcional)
Comentário



Redação: Paulo Zamboni
AmbientalismoAmérica LatinaBrasilCulturaEconomiaEntrevistasEUA e GeopolíticaEuropaMídia em FocoOriente MédioPolíticaSegurança Pública
Artigos IndicadosCLIPPING@MAISEspecialLiteraturaResenhas
Home Editorial Faq Fale Conosco


Canais:
 
MÍDIA A MAIS © COPYRIGHT 2013, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS