Boa Noite ! Hoje é Domingo, 22 de Outubro de 2017.
 
Fique por dentro de nosso conteúdo em sua caixa de e-mail:
 




 
> CLIPPING@MAIS
Compartilhar
Ariano Suassuna (1927-2014)
24/07/2014 - Redacao Midia@Mais
“Eu prefiro o Brasil parecido com a Etiópia, um país pobre, desgraçado, arrebentado, do que com os Estados Unidos. No dia em que o Brasil se transformar nos Estados Unidos, eu vou-me embora. Taí uma hora que eu saio do país. Vou para o Marrocos ou vou para a Etiópia. Eu prefiro o Brasil parecido com a Índia.”

Ariano Vilar Suassuna (João Pessoa, 16 de junho de 1927 — Recife, 23 de julho de 2014) foi um dramaturgo, romancista, ensaísta e poeta brasileiro. Idealizador do Movimento Armorial e autor de obras como Auto da Compadecida e O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, foi um preeminente defensor da cultura do Nordeste do Brasil. Foi secretário de Cultura de Pernambuco (1994-1998) e secretário de Assessoria do governador Eduardo Campos até abril de 2014. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ariano_Suassuna)

 

Uma das presenças mais destacadas da programação do 16° Cine Ceará, o escritor e dramaturgo Ariano Suassuna (...) contou anedotas, falou de coisas sérias, cantou e fez a plateia universitária chegar ao delírio quando disse que havia votado quatro vezes em Lula e iria votar pela quinta vez, pois lhe parecia o único presidente capaz de defender o Brasil de uma política de entreguismo cultural. Disse que a senadora Heloisa Helena é bem-intencionada, mas faz o "jogo da direita" e elogiou, mais uma vez, a criatividade do povo brasileiro, agora destacando a arquitetura popular. (http://www.vermelho.org.br/go/noticia.php?id_noticia=3645&id_secao=1)

 

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, encontrou-se ontem, por volta das 16h30, com o escritor e secretário estadual de Cultura de Pernambuco, Ariano Suassuna (...) O escritor chegou a ler um texto de "A Pedra do Reino" para Chávez, para comprovar que, desde 1971, já defendia a unidade da América Latina como nação. (http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,no-recife-chavez-reune-se-com-ariano-suassuna,236050)

 

Ariano disse não estar esquecido da história do ex-governador Miguel Arraes, avô de Eduardo, e que considera o governador como “o político mais brilhante que já conheci na minha vida”. “Não estou esquecido da história de Miguel Arraes. Eduardo nem tem idade, nem tempo de luta suficiente, mas é o político mais brilhante que eu conheço. Acho que ele é o mais apto a levar a diante os avanços do governo Lula”, disse. Neste momento, quando indagado se a afirmação seria uma declaração de apoio à candidatura presidencial de Eduardo em 2014, o escritor teria defendido a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). (http://www.revistaforum.com.br/blog/2013/10/ariano-suassuna-queremos-a-reeleicao-de-dilma/)

 

Eu prefiro o Brasil parecido com a Etiópia, um país pobre, desgraçado, arrebentado, do que com os Estados Unidos. No dia em que o Brasil se transformar nos Estados Unidos, eu vou-me embora. Taí uma hora que eu saio do país. Vou para o Marrocos ou vou para a Etiópia. Eu prefiro o Brasil parecido com a Índia.”

 

“E, outra coisa, eu sempre fui socialista. Eu pertenço ao Partido Socialista Brasileiro. Entrei no partido porque hoje eu acho que tenho condições de ser socialista.”

(Ariano Suassuna, em entrevista à Folha de S.Paulo: http://almanaque.folha.uol.com.br/leituras_16jun00.htm)

 



 
Compartilhar

COMENTÁRIOS
06/08/2014
(Jorge Alberto Escosteguy)

Foi-se o velho bode. Um a menos para encher o saco com esse negócio de que pobreza é pura, é "linda". O Brasil só não chega perto dos EEUU porque tem gente demais por ai (nos governos, principalmente) pensando como ele e atrapalhando o andar das coisas. A obra do cara é um monte de lixo comuna travestida de literatura, de poesia, "lindo". Argh! Durou muito. Já foi tarde.
 
06/08/2014
(Leonardo Diniz)

Acho que o comentário feito pelo Reinaldo Azevedo quando da morte do Niemayer se aplica muito bem ao caso do Suassuna: metade gênio e metade idiota. Aliás, acho que fica melhor para o Suassuna, porque o Niemayer era quase só idiota e o Ariano, claramente, era um brilhante literato e um bom caráter. Mas, infelizmente, em política, era totalmente incoerente e idiota.
 
25/07/2014
(Conservatore)

Me enquadro entre os que não conhecem a obra do Ariano. Assisti o filme "O Auto da Compadecida". É engraçado, mas distorce alguns pontos do catolicismo, além de trazer temas caros à esquerda (A cena com a Fernanda Montenegro, interpretando Nossa Senhora, em que intercede por chicó, no fundo, por ser pobre, não por ter se arrependido de fato. Seria a luta de classes teológica?). Não sei se o livro faz o mesmo. Assisti também trechos no Youtube, da chamada "aula-espetáculo". Também possui partes engraçados. Não sabia que ele se declarava socialista, mas pela repercussão dada à sua morte, imaginei que servisse à causa. Olhando de longe, ele me parece alguém bem intencionado, que aparenta erudição (só aparenta. Nas aulas espetáculos, ele fica citando vários autores clássicos, à esquerda (mais) e a direita. Mas isso não é chancela de erudição) mas fala a língua do povo. Ele me pareceu confuso, pois ao mesmo tempo que defende a cultura popular, critica por exemplo, a Banda Calypso, tida como autêntica cultura popular pela antropologia militante (na verdade a confusão é minha, pois se ele é de esquerda, está destoando do pares acadêmicos esquerdistas). Em um dos trechos da aula, ele faz uma analogia entre o filé e o osso. No caso, é a história de que o cachorro gosta é de comida, só come o osso porque o filé lhe é negado. Na cultura, só estão dando ossos para o povo. Ele, com o circo da onça malhada, estava levando o filé. Enfim, não posso criticar algo que não conheço. Quando for possível, lerei seus livros.
 
24/07/2014
(F.Carlos)

Quem faz um comentário desses é o mais perfeito idiota. Talvez vá para o "paraíso" cubano ou na República Popular Democrática de Coreia (RPDC) – mais conhecida como Coreia do Norte.
 
24/07/2014
(MJ)

Xororó de pseudo-intelectuais em 3, 2, 1...
 
24/07/2014
(Paulo)

O leitor Daniel foi direto ao alvo. Vide o Reinaldo Azevedo, distribuindo generosidade em seu site para o velho bolchevista. E o pior é que quando for ele quem deixar este mundo, se depender da generosidade dos esquerdistas, é bem capaz de a família precisar esconder onde é a sepultura para os caras não irem lá urinar em cima dela. Esses são os nossos conservadores: generosos, altruistas e... idiotas, servindo de papel higiênico para os comunistas.

 
24/07/2014
(Carlos)

Mas é claro que vai aparecer um monte de carpideiras para o velho comuna. Ainda mais porque o que tem de gente que vai pela aparência do morto... Vão ver a cara do defunto, devidamente incensado pela mídia amestrada e fantoche, e vão falar "que velinho simpático, deve ter sido tão bonzinho". Como se um cara que declara que preferia ver o Brasil virar um Etiópia do que um EUA fosse digno de algo mais além de desprezo.
 
24/07/2014
(daniel)

O brasileiro é, antes de tudo, um sentimental. O conservador brasileiro é, por sua vez, um sentimental duas vezes. Não são raros os exemplos de conservadores intransigentes com seus pares, mas derretidos por amizades com esquerdistas das mais variadas vertentes, pelos quais eles são capazes de esquecer qualquer divergência ideológica. Os afetos, ah!, sempre os afetos. Ou, para nos concentrarmos no exemplo específico do conservador brasileiro: aos amigos (conservadores), a lei; aos inimigos (socialistas), o afeto.
 
24/07/2014
(Paulo)

Perfeito o comentário da leitora Inconformada. Mais um palanque para picaretas esquerdistas encostarem a barriga, posar de santos e derreterem os olhos com lágrima de crocodilo. E claro, para um monte de imbecis de facebook puxarem o saco sem sequer saber de quem se trata. Pobre país.

 
24/07/2014
(I de INCONFORMADA)

Eu gosto muito de ler. Sempre amei a genialidade daqueles que conseguem milagres com as palavras. No entanto, a histeria coletiva com a morte de Ariano Suassuna me incomoda. Quantos leram, de fato, sua obra? Quantos outros apenas reproduzem e, finalmente, quantos dizem gostar apenas por ele ser socialista. Não é apenas no Brasil que isso acontece. O Thiago de Mello é outro exemplo. Jorge Amado tb! Há uma cena no filme A Grande Beleza em que o personagem principal diz a uma comunista exatamente isso: "seu livro só foi publicado porque vc era amante do presidente do partido". Eu sinto pelas recentes perdas. Não serei mentirosa. Eu gostava de algumas obras. Mas, no Brasil há uma histeria cega. *Quase vomitei: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/07/1490623-diante-de-dilma-coro-canta-musica-de-campos-em-velorio-de-suassuna.shtml?cmpid=%22facefolha%22
 
INSERIR COMENTÁRIO
Nome / Apelido
E-mail (opcional)
Comentário



Redação: Paulo Zamboni
AmbientalismoAmérica LatinaBrasilCulturaEconomiaEntrevistasEUA e GeopolíticaEuropaMídia em FocoOriente MédioPolíticaSegurança Pública
Artigos IndicadosCLIPPING@MAISEspecialLiteraturaResenhas
Home Editorial Faq Fale Conosco


Canais:
 
MÍDIA A MAIS © COPYRIGHT 2013, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS